Foto: Lenilson Balla

Sem dinheiro para medicamentos quimioterápicos que podem salvar vidas, ou ao menos fazerem doentes conviverem com o câncer em condições dignas, o Hospital Laureano vê crescerem filas de espera.

Conforme publicação do Correio da Paraíba desta sexta-feira (22), o sentimento comum é o da angústia diante da incerteza sobre o tratamento, que é constantemente interrompido.

O hospital recebe R$ 3,8 milhões, mas precisa de R$ 4,8 milhões.